"Locus Solus"

 

    ©  Eduardo  - ( Setembro/2013)

 

 

Eduardo

 

 

 

 

LOCUS SOLUS 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dezembro 2013

 

( Na capa: “uma qualquer flor” )

 

 


 

«cada consciência procura a morte de outra»

Hegel

 


 

 

 

 

Ao professor Levi Malho

a quem devo muito mais do que um livro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NOTA INÚTIL

a poesia enquanto caos primordial. o caos enquanto ordem não manifestada. a morte não se revela neste mundo: insinua-se. o regresso ao início. uma cosmologia enquanto acto criativo através da palavra. ignorância ignóbil da morte. e átomos crepusculares como forma de arder dentro da memória: é o canto fremente do pensamento: o corpo dentro da sua luminosidade. o texto, como o corpo, em delírio. um delírio tardio num universo vitalista. a voz dentro do corpo como um deus: uma alegria extrema dentro da própria morte.

 

 


 


 

1.

 

 

é a tua língua vácua e magnânime

que me devora a surdez

e a imagem da música é a geometria do teu corpo

em forma de útero apressado:

                                               é o corpo desértico de deus

                                               onde me recolho ressuscitado

 

uma dor humana num mundo inacabado

à espera de uma palavra

e vivo dentro da minha alucinação:

                                               dentro de mim a metáfora da minha

                                               própria morte:

                                                           imagens excessivas

                                                           pelo medo do mundo

 

a escrita como uma doença do corpo

sem deus sem nome sem rosto

a solidão absoluta das palavras:

                                               escrever:

                                                           e o corpo rodeado de espectros

 

 

 

 

 

 

2.

 

 

as mães rejubilam dentro da dor dos filhos

porque a dor dos filhos é uma dor interminável:

                        e as mães desconhecem a morte brilhante dos filhos

 

guardam flores no lugar do ventre

cargas explosivas de fotões

e a luz metamorfoseante dos enigmas

                        e o teu ventre adormecido

                                                                       mãe

                        e o teu ventre cosido por eternas linhas vivas

lugar onde adormecem ígneas magnólias

em forma de flores

 

 

 

 

 

 

3.

 

 

expectante na sua condição animal esperava a presa

o seu corpo tilintava turbulento:

                                               leão tornado criança

 

memória incipiente de cheiro a animais mortos:

                                                                       funéreo

 

casulos onde escondem o corpo deformado:

                        antigas criptas onde depositavam o silêncio

e o sangue da terra

um sítio vivo

um axioma em forma de labirinto

palavras em forma de ofício

e guardávamos as canções nos cemitérios vazios

como se tudo se re-inventasse

numa obsessão crónica

para a remissão de todos os pecados

e o teu corpo febril sobre a superfície das águas

crepúsculo nocturno

e, depois, hermeticamente lias-te

numa espécie de visão aterradora do mundo

 

trazias nas mãos os filhos para o extermínio do sangue

como objectos extensíveis, incorpóreos:

                                   era a morte como algo teúrgico

                                   matéria primitiva em forma de grafemas

                                   numa litania de profundas insónias

 

o olhar no espelho num reflexo impróprio

o corpo desterrado

                                   eliptico

vulnerável

como um punhal que se ergue sem demora

na direcção engenhosa do teu ventre:

                                   presságio habitável na superfície do poema

                                   e a tua morte embalada dentro das palavras

 

 

 

 

 

 

 

 

4.

 

 

o teu corpo enquanto construção fotográfica

imagem onde planam seres neutrais

para te re-criarem em forma de voz

                                                           gramaticalmente perfeita

palavras em forma de dores dentro da garganta

 

regresso a ti

                        mãe

porque o corpo não aguenta a tua solidão

 

 

 

 

 

 

 

5.

 

 

um relâmpago como forma primitiva de iluminação do mundo

cadência ancestral das formas hibridas:

                        homens em forma de animais

                        para serem devorados

                        na extensível ingenuidade das flores:

                                   o labiríntico respirar das magnólias no inverno

                                   e o teu corpo como sinónimo de morte

 

regressas, então, para arder:

o teu peito amadurecido

o teu corpo esculpido em pedra

para que se mostre a verdade do mundo:

                                                           palavras em forma de silêncio

a inércia do teu ventre e a dor de parir

sóbrias naturezas mortas:

                                               lugares de engano

 

 

 

 

 

 

 

6.

 

 

agora tenho o corpo rodeado de bichos

sinal de coisas mortas:

                                   sugam-me o sangue

                                   como forma de alimento

e regenero-me nas feridas:

                                   a magia da electricidade

 

à minha volta uma mulher rodopia

numa dança sem sentido

 

 

 

 

 

 

 

7.

 

 

suspende o vestido  e o corpo

sobre os pregos da parede

tacteia as zonas apodrecidas e férteis

para que lhe seja depositado o entulho do mundo

 

as minhas mãos cobrem-te o rosto

como se se tratasse de um reza longínqua

e neste murmúrio ancestral

construímos os discursos delirantes da nossa verdade

 

a insónia é, então, o pensamento do mundo

um pensamento perplexo que se expõe demoradamente

sobre as coisas ou categorização dos demónios

 

na boca mastigamos pequenos vocábulos em forma de treva

como se fosse uma doença

 

 

 

 

 

 

8.

 

 

velhos morriam demoradamente sobre o outono

e fechavam-se dentro do sepulcro de sua casa:

            um oráculo de memórias

            onde os dedos sustêm o sangue dentro das veias

 

a compreensão da vida:

            o remorso dentro do corpo da mulher

e a tentativa inócua de adormecer os afectos

era a condenação de quem arranca os olhos para não chorar

 

os corpos reconhecem-se dentro do prazer

e ainda assim morrem

            o teu coração é como uma ferida:

                                   aprendizagem da morte:

                                               um silêncio ensimesmado

                                               equinócio de uma outra estação

 

eu nasci num tempo em que ninguém estava vivo

para poder amar

 

 

 

 

 


 

9.

 

 

uma boca contra a outra

como forma de respiração:

                                   estremecem os sexos opostos:

                                                           mulheres ininterruptas

reverberam o corpo contra o espanto da imagem

numa forma quase invisível de demência

uma mistura de diferentes densidades:

                                                           a mão sobre a escuridão do livro

uma sabedoria antiga em forma de máscaras.

                                                           a beleza irreal das vozes

                                                           que atravessam tresloucadas

os tímpanos da memória:

o milagre da salvação

inscrito no silêncio

 

 

 

 

 

 

10.

 

 

o corpo cansado sobre a cama

                                   pleno na sua dor

fora do espaço da morte uma chuva perfurante

                                                           aproxima-se sobre a noite

 

à volta do corpo cantam pessoas:

                        melodias funéreas na urgência das vozes

como se se tratasse de um metal perfurante

                                                           uma pedra silenciosa

                                                           presa na garganta

 

cantam secretamente os ensinamentos de deus:

                                   sangue que corria a vida inteira

                                   fora do corpo:

                                                           é o supremo da morte

 

 

 

 

 

 

11.

 

 

não morrem as crianças porque têm um sorriso

que estremece nas mães

            criam palavras e formas abstractas de falar

            que só as mais puras mães entendem

seres criadores de loucura

que curvam o corpo perante a ausência de deus

seres terríficos de olhar abrupto

e a morte escrita a sangue

no menstruo da mãe

 

 

 

 

 

 

 

 

12.

 

 

a regeneração da língua viva, limítrofe,

e os gritos sufocados e ásperos

na simbologia do corpo:

                                   martelam corpos no âmago da carne

                                               o corpo martela-se a si próprio

                                               esmagando-se

o teu corpo gritava sobre a paisagem da casa:

            uma linha de memória estranha

            num percurso geometricamente desordenado

para dentro do corpo

 

e o teu corpo parado

como se de um útero delirante se tratasse

e ao fundo do corredor de casa

o espaço habitado por artérias densas

que absorviam o percurso da própria morte

na parede o crucifixo que nos olha

em compaixão suprema

 

 

 

 

 


 

 

13.

 

 

um ferro cravado nos ossos

esmagados contra a carne:

                                               podíamos morrer assim?

em agonia

sem dedos para contar as verdades:

                                               um milagre que se não vê

 

o teu corpo trágico

o teu corpo ensanguentado

onde cresce um incêndio vulcânico

sobre as cicatrizes:

                                   é a tua voz surda a olhar a morte:

                                                                                              indómita

interminável

 

 

 

 

 

14.

 

 

PIETÁ

 

na tua essência de pedra

tens nos braços um filho

que te já não pertence:

                                               é ele a dor única

e concentrada

do mundo inteiro

 

 

 

 

 


 

15.

 

 

as mãos centripetamente côncavas guardam o rosto

as mãos escondem o rosto das mães alucinadas

 

a mãe louca não tem palavras

vive numa ignorância inexplicável

solta apenas sons fulgurantes

para respirar até à morte

 

e os filhos sustentam as mães

numa fuga para dentro do seu ventre

e guardam-se do mundo

para que o sofrimento lhes habite o corpo

 

 

 

 

 

16.

 

 

não recordo a tua morte

porque ainda estava vivo:

                        os olhos dentro das suas órbitas fulminantes

elipses imóveis

dentro das cavidades

como se fossem metáforas liquidas

de determinados vocábulos enfáticos

que sangram dentro da boca

numa densidade magnética:

era o início da poesia

 

 

 

 

 

 

17.

 

 

as tuas mãos como sinal de repouso do mundo

da tua morte nascem, agora, coisas vivas:

uma morte primaveril

onde nascem invernos desvairados

 

e vêm mães nos seus corpos doentes

dar de comer aos filhos

                                   e deus embriagado da sua lucidez

                                   mantém o silêncio

                                   de quem não fala:

                                                           é o arrependimento da criação

 

 

 

 


 

18.

 

 

da terra nascem plenas flores mortas

não sobrevivem ao sangue puro das mães

mães ensanguentadas pela criação:

                                   porque é do corpo das mães

                                   que se alimentam os filhos

 

as coisas complexas morrem num movimento mecânico

anacronismo de coisas velhas

onde libertas o corpo do sufoco violento

                        e as mães das mães embalam metafisicamente

o sofrimento dos filhos

um movimento silencioso dos corpos

anuncia um equinócio tardio:

                                               a morte como saciação da fome

 

um processo alquímico

sem violência

um método antigo de construção de religiões

                                                                                  puras abstractas

onde os deuses se devoram na ferocidade

do seu apetite sexual:

                                   é o processo delirante da construção do mundo

 

 

 

 

 

 

 

19.

 

 

as mães inspiram atónitas flores mortas

sobre as cabeças os filhos pensam

como se flutuassem

novamente para dentro dos ventres:

                                               naturezas mortas

                                               geometricamente dispostas sobre a terra

 

o ventre é o resguardo

                                   lugar solitário

do alimento das crianças:

                                   milagre insólito

 

era um lugar inóspito dentro da minha cabeça

e dentro do silêncio da minha cabeça

eu enlouquecia para dentro de mim próprio

como se fosse louco

e construía espaços plenos de palavras

em carne viva

 

a minha morte era uma morte violenta

uma fábula:

                        o corpo rodeado de animais cantantes comovidos

                        e mulheres magnanimes

                        suportadas por perfeitas magnólias

                                                                                  a rezar

 

 

 

 

 

 

20.

 

 

mãe

tudo em ti era silêncio

 

mãe

por ti cai a menstruação do mundo

águas mortas onde bocas comem:

                                               talvez os deuses se alimentem de ti

 

e canta monstruosa

numa força ígnea:

                                   chaga

que marca o início do mesmo

que se repete a cada dança

 

deslumbramento sólido e durável

dentro da irrefutabilidade:

inépcia e solidão

e a cabeça pendurada sobre um corpo

exercício pungente do pensamento:

                                   uma espécie de imagem do fim do mundo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

21.

 

 

deus:

como uma garganta onde arde o silêncio

 

o corpo extasiado imenso corruptível

de gestos abertos pela força dos relâmpagos

e do ritmo incessante das mãos

sombras inconsequentes sem forma

percorrem indefinidamente o murmúrio

das palavras nas folhas plenas

para que da fome nasça o poema

 

 

 

 

 

 

22.

 

 

mãe:

o teu corpo escondido dentro do meu:

imagem de terror

pela força da violência de deus

 

as mães têm braços como árvores

e soltam uma luminosidade

em forma de fogo

por dentro das palavras

que escorrem no sangue dentro da boca

dão de beber aos filhos

e adoecem

apodrece-lhes a carne para morrer

na promessa dos braços da mãe

 

o teu nome na palavra tocado em forma de música

contornos de um poema escrito na pedra

que suporta a vida em silêncio

 

sobre a mesa folhas e riscos que denunciam construções

em forma de labirintos

ofício oficina

onde esculpimos as palavras, a medo, em forma de poema

 

cresce o poema dentro da própria vida

como uma doença cresce no corpo

as mãos e os pés descalços sobre a terra

como um grito alucinante

para que germine a criação:

palavras em forma de vozes

uma flor em forma de palavras

 

e a dor exacta do teu ventre

e o meu amor dentro de ti:                                                                            

um anjo que peca dentro da tua divindade

 

e vivo dentro da minha ignorância

rodeado de coisas inúteis de sabedoria

e sou o lugar inóspito da morte

um ser ígneo incendiário

e a minha força dentro do medo

um corpo inflamável que se move

por dentro em forma de respiração

palavras dentro do poema

numa mudança plena inesgotável

pequenas metamorfoses metafóricas

adjectivos no meio dos nomes e

plenos substantivos inócuos

para se dizer uma outra coisa

sem pontuação

memória plena em movimento

 

uma flor era o verbo

lugar onde encarnam as palavras:

esmagamos as pétalas

tal qual as sílabas do poema:

e é o nosso corpo que se esmaga contra si próprio

para que do sangue nasçam profundas palavras novas

próximas do teu ventre que ainda sangra

 

 

 

 

  

 

23.

 

 

sobre este lugar havemos de construir uma casa

cheia de palavras plena de silêncios

nestas paredes velhas da infância

erguer-se-á o poema

por dentro do corpo em carne viva

 

o teu corpo era a rebentação da minha respiração

como um archote que queimasse o sepulcro vazio:

uma purificação absoluta na morte de todas as noites

sal grosso para limpar as feridas do corpo incendiado

e os braços de uma mãe a rodearem-nos dentro da nossa própria morte

e o corpo abre-se a uma estranha melodia desconexa:

é uma dança de solidão

 

 

 

 

 

24.

 

 

«enigma»

 

de que morrem os deuses?

qual a sua língua? e do que falam?

têm vida dentro de si?

e sentem?

têm memória? e esquecimento?

e depois do homem? haverá deuses?

 

 

 

 

 

 

 

 

25.

 

 

o silêncio dentro do silêncio é a morte

o teu corpo horizontalmente em decomposição

uma imagem magnética carregada de flores

corpos a devorar outros corpos

imagens de terror irradiando alucinações

 

 

 

 

 

 

 

 

26.

 

 

as mães selam as veias com sangue

para silenciar a dor dos filhos

uma menstruação dolorosa

para esconder a insignificância do mundo

e falam numa forma de música acabada

mães de corpo incendiário

dormem de ventre aberto

para adormecer a dor dos filhos

e a criança rasga o mundo para se tornar leão

e olha o espelho em passo galopante

sem máscara

terrífico inerte

na morte de si mesmo

 

 

 

 

 

 

27.

 

 

o corpo reprodutivo adormece com estrondo contra a ossatura

as flores da noite dentro da garganta e do grito

na boca surda um emaranhado de areia

palavras minúsculas e luzes indecisas entram em convalescença

para que se crie o poema:

universo sem substância que sobrevive

na lucidez desumana de deus

 

 

 

 


 

28.

 

 

AUTO-RETRATO POSSÍVEL

 

nasci de forma inocente como uma flor

do ventre morto de minha mãe nasci num silêncio fúnebre

sem gritos

para atravessar devagar a vida

 

uma carne amedrontada

como a imagem desfocada do espelho

na loucura imensa em que me tornei:

uma embriaguez de enormes labirintos

 

agora guardo em mim seres imóveis em forma de espectros

mausoléus e as línguas mortas do mundo

depois solto plenos seres em forma de aves

para que espalhem inocentemente a morte

 

 

 

 

 

29.

 

 

que ardam ensanguentados os livros sobre a máscara do teu riso

e da cinza se ergam palavras sagradas e beijos amaldiçoados

como quem apodrece

 

dos olhos do homem cai sangue morto

ajoellhado na cruz sobre a sua ruína

 

a mão asfixia as palavras como rosas concêntricas

rosas dementes

de onde nascem criaturas intermináveis

sem esquecimento nem morte

 

e abrem-se portas ígneas no ventre

e esperas sozinha a morte

e contemplas a face inversa do espelho

e corpos estranhos adormecem no regaço das mães

 

os lábios acariciam bocas mortas

para que da cinza nasçam misteriosas flores

que se mutilam em silêncio

à espera de uma outra coisa:

um deus em forma de suicídio

 

 

 

 

 

 

 

 

30.

 

 

corpos terríficos de angélicas virtudes guardam flores

como quem guarda a própria morte

corpos alucinados sorriem dentro da sua devastação

mulheres de pé desdobram-se para adormecer:

cadáveres rítmicos e luminosos

guiam-nos por entre o que resta da linguagem do mundo

 

as mãos dentro da loucura como campânulas acesas

devoram a carne durante o poema:

sufocado por violentas lâmpadas

que escurecem a língua à minha volta

e depois a boca de minha mãe para me alimentar de palavras

com suas mãos de pétalas analfabetas:

são a morte intolerável do poema

o poema enquanto demência do corpo

 

 

 

 

 

 

31.

 

 

a língua era a construção de uma elegia antiga

símbolo do rigor geométrico da criação matemática do mundo:

deus na sua ordenação perfeita

 

depois da criação: a ausência

e esperamos que o inaudito

nos liberte do silêncio da cruz

e nos possa entregar incessantemente

ao nosso desespero

 

 

 

 

 

 

 

 

 

32.

 

 

invernos de frio e de silêncio

e a voz de minha mãe a chamar-me

e a minha cabeça fulminava entre correrias

do cemitério para casa

 

minha mãe estava em nós

como uma constelação paciente que sangrava a nossa dor

 

minha mãe procurava ensinar-me

e eu não serei capaz nunca de aprender

e no teu ofício rigoroso mostras-me

e eu não serei nunca capaz de fazer

as mãos doentes sobres os pedaços das palavras

para a transformação do ouro

e ao menos se eu pudesse um poema perfeito

dentro da tua sabedoria                                             mãe

 

 

 

 

 

 

33.

 

 

na rua da minha infância não há memória:

as casas foram destruídas por enormes máquinas predadoras

o barro do chão foi substituído

por pedras geometricamente ordenadas

 

no lugar da minha casa

continua o rosto de minha mãe

na espera infinita da crença

de que nenhuma morte seja verdade

 

 

 

 

 

 

34.

 

 

a língua assume o movimento do corpo

recrudesce e ilumina-se

profunda como uma sombra

a língua ilucida a inércia do mundo:

lugar solitário

ou indiferença que seduz o verbo

antes do acaso do início:

enigma da força terrífica de deus

 

talvez a noite do mundo seja a explicação da morte de deus

 

a palavra dentro do medo da noite

como animais primitivos sem respiração

abruptos na sua língua única:

o medo dentro da beleza

 

talvez a noite do mundo seja a explicação da morte de deus

 

o corpo era doença

pura metafísica sensual

e da boca resplandecem ignóbeis criaturas

em forma de palavras

 

a casa é o espaço endémico onde guardámos os segredos

coisas distantes e profundamente esquecidas

pequenos silêncios dentro dos gestos

evidências unívocas da infância

onde animais vagueiam desenhando palavras nocturnas

que se escondem oxidadas no sémem que perfura

numa dança delirante a construção metafísica do mundo

 

talvez a noite do mundo seja a explicação da morte de deus

 

tudo principia dentro de tudo

e os filhos incendeiam as mães

para lhes roubarem os corações

à noite depositam o coração sobre placas giratórias

para construir numa lenta combustão felizes magnólias

na epiderme dos seios alimentícios

 

abismo fugaz:

mostra-se o feminino de deus

que sem voz prolonga a transparência do corpo

refunda a dor do parto:

pasmo sobre si mesmo e negridão abstracta

que resiste à criação de si mesmo

 

o lugar solitário da criação

ajusta-se à análise das palavras:

coisas em forma de seres:

obstáculos incendiários

e as mãos postas em silêncio iniciam a reza do mundo

as mães defuntas pedem perdão dentro das suas sepulturas

no interior do seu ventre há ainda alimento:

é o corpo em decomposição

 

talvez a noite do mundo seja a explicação da morte de deus

 

e já não há metástases ou aneurismas

já não se dá no teu corpo a trajectória da ciência

assim era depositado o teu corpo sobre a morte

num buraco silenciosamente aberto com precisão

para que a poeira dos deuses te guarde

e eu possa escrever em forma de palavras a tua escatologia

 

 

 

 

 


 

35.

 

 

tens o corpo tombado, inerte, sobre as flores

o eco de uma outra língua

esquecida no seu passado

 

quando cristo chegou estavas morto

o rosto desfigurado pela verdade

e na noite devota não há luz que se mostre

depois as palavras da ressurreição:

e estavas novamente pronto para o sofrimento

 

 


36.

 

 

HETERO-RETRATO

ao professor Levi Malho

 

 

no início era o caos:

a voz negra e entorpecida dos deuses:

era o simulacro do mundo.

da força terrífica da criação nascia a deusa: gaia de seu nome.

depois o humano: o logos

e a tentativa de tudo compreender

o terrível deserto de tórridas areias

e a solidão para a construção

dos irresolúveis enigmas do mundo.

o deserto e a loucura da filosofia

o cosmos enunciado num princípio entrópico

e o universo abarcado por leis explicativas:

tentativas neguentrópicas.

e uma voz pura sábia

capaz de atravessar os tímpanos

para nos libertar do princípio da ignorância.